Home policial Depois de batida, influencer ligou para revendedor de carros condenado

Depois de batida, influencer ligou para revendedor de carros condenado

30
0

A influencer Lidiane Campos (detalhe): acidente e morte em Rondonópolis

Informação consta no inquérito policial do caso; influencer matou Daniel Augusto Costa, de 3 anos

 

Cerca de quatro horas depois de se envolver no acidente de trânsito que matou o menino Daniel Augusto Costa, de 3 anos, e fugir do local, a digital influencer Lidiane Campos ligou para um revendedor de carros com condenação por organização criminosa. A informação consta no inquérito policial do caso, ao qual o RDNews teve acesso.

 

Segundo informações de uma ação para indenização por danos morais e materiais movida pelo pai do menino, Marcos Souza Costa, a Toyota Hillux SW4 que Lidiane dirigia já foi vendida. A Justiça negou o bloqueio do bem. A caminhonete pertencia a Eduardo Sachetti, filho do ex-deputado federal Adilton Sachetti, com quem Lidiane é casada.

 

Lidiane foi denunciada pelo Ministério Público Estadual (MPE) por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, e lesão corporal. Pediu ainda que a pena seja aumentada numa eventual condenação por ela ter omitido socorro a Daniel, a Marcos e à esposa dele, Dayane Palmeiras dos Santos. Os três estavam em uma moto.

 

O inquérito encaminhado pela Polícia Judiciária Civil ao MPE traz dados obtidos por meio da quebra do sigilo telefônico de Lidiane, feita com autorização judicial. A polícia utilizou as Estações Rádio Base (ERB) para determinar a localização da influencer antes, durante e depois do acidente.

 

O batida aconteceu às 18h40 de 11 de agosto de 2019, na rua 15 de novembro, esquina com a avenida Tiradentes, no Centro de Rondonópolis.

 

Pouco antes do acidente, houve atividade intensa no telefone de Lidiane. Entre 18h34 e 18h40, foram oito ligações em um espaço de seis minutos feitas pelo número da influencer para outros telefones.

 

Apenas uma foi completada, porém o relatório não mostra o telefone destino das ligações fornecidas pela Vivo porque o objetivo era apenas obter a localização dela.

 

A primeira ligação completa recebida por Lidiane depois do acidente é de um telefone da BS Participações S/A, às 18h46. Dura 51 segundos. A empresa é da família de Sachetti, para quem ela disse aos policiais ter ligado após a batida. Em seguida, recebe quatro ligações, tendo atendido apenas uma, que durou pouco mais de três minutos.

 

Às 19h26 ela liga para um telefone registrado em nome da advogada Thais Louana Mendes Silva, sem sucesso. Poucos segundos depois, liga para Erica Duarte Rondon, contadora que atuou como conciliadora no Fórum de Rondonópolis. A contadora atende e a ligação dura 51 segundos. Ao desligar, Lidiane tenta novamente falar com a advogada.

 

Há seis chamadas recebidas pelo celular de Lidiane entre 19h35 e 22h04, entre as quais está uma longa ligação de 7,4 minutos, sem número identificado.

 

Às 22h54, a influencer liga para um telefone de João Ferreira Mattos Neto, dono da Mattos Veículos, também registrada como Tração Total Veículos.  São 186 segundos, ou cerca de três minutos de conversa entre o corretor e Lidiane.

 

João trabalha com revenda de carros e como corretor de imóveis rurais. Ele foi condenado pela Justiça Federal em 1ª instância por integrar uma suposta quadrilha de falsificação e contrabando de agrotóxicos.

 

A revenda de veículos serviria para dissimular os negócios ilegais com os defensivos, de acordo com a sentença da 1ª Vara Criminal de Rondonópolis, de setembro de 2018. Policiais federais encontraram 200 kg de agrotóxico falsificado com ele ao cumprirem mandado de busca e apreensão na garagem, em março de 2012.

 

fonte: Rdnews

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here